Desaposentação: o que é e como funcionava? Veja o que mudou

Publicado em: 12/04/2021

Tema de grande relevância no cenário previdenciário, a desaposentação ainda é assunto polêmico, sobretudo por configurar a busca de melhores condições para beneficiários da Previdência Social que decidiram continuar trabalhando ou que retornaram ao mercado de trabalho após se aposentarem.

Pensando nisso, se você é beneficiário do INSS (Intituto Nacional do Seguro Social) e ainda têm dúvidas, veio ao lugar certo: neste artigo vamos ajudá-lo a entender as principais informações acerca do tema.

O que é a desaposentação?

A desaposentação representava a oportunidade do aposentado pelo Regime Geral da Previdência Social receber uma aposentadoria mais vantajosa, em caso de ter se aposentado, mas ter continuado a trabalhar – mantendo, portanto, as contribuições mensais regulares para a Previdência, na época.

Neste caso, o segurado renunciava ao primeiro benefício, abrindo margem para um novo processo de aposentadoria com um salário-benefício mais alto.

Desaposentação e Reaposentação

Para entender esse processo, veja o que acontecia, normalmente:

  • O cidadão dava entrada na aposentadoria e era aprovado para um dos benefícios. Então, passava a receber o valor de direito, conforme os cálculos das contribuições e regras vigentes.
  • Ao decidir retornar ao trabalho continuava a fazer o recolhimento da contribuição (pagamento da Guia da Previdência Social – GPS);
  • Então, solicitava a desaposentação para receber uma aposentadoria de maior valor. Assim, era feita a desaposentação (cancelamento do benefício anterior) e a reaposentação (emissão de novo benefício considerando os valores pagos adicionalmente).

Em quais casos se aplicavam?

A principal razão que justificava a desaposentação era o argumento de que o aposentado empregado não recebia uma contrapartida justa em razão das contribuições prestadas ao INSS após a aposentadoria original.

Assim, a desaposentação era aplicável aos casos em que os trabalhadores vinculados à Previdência Social continuassem trabalhando por necessidade de garantir a sua própria subsistência e de sua família ou, ainda, como forma de complementar a renda.

Por isso, em função da manutenção do pacto trabalhista formal, os segurados aposentados que se mantinham em atividade puderam argumentar a solicitação de um benefício de aposentadoria por tempo de contribuição que fosse mais vantajoso.

Como ficou a desaposentadoria do INSS?

Como ficou a desaposentação em 2021?

A partir do entendimento que a desaposentadoria era possível, diversos aposentados passaram a pleitear na Justiça o direito de terem seus benefícios recalculados.

Por meio de uma ação judicial, os segurados argumentavam que deveriam ser somadas todas as contribuições feitas posteriormente, mesmo após a aposentadoria, para a concessão de um benefício mais vantajoso no lugar do atual.

Assim, milhares de segurados conseguiram o reconhecimento do direito à desaposentação e passaram a ganhar valores de aposentadoria maiores, no contracheque INSS.

A prática durou até que o STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu que, por falta de previsão legal, não é possível ao segurado do INSS já aposentado adquirir novo benefício em decorrência das contribuições recolhidas após a concessão da aposentadoria.

No julgamento, a Corte entendeu que somente uma lei pode criar benefícios e vantagens previdenciárias, e como a desaposentação não é prevista em nenhuma lei, não pode ser aplicada – por isso, a prática é vedada desde o julgamento. Portanto, atualmente a desaposentação do INSS não é mais aplicável.

Devolução de valores

Em razão dos processos na Justiça, muitos aposentados obtiveram uma decisão judicial favorável e definitiva em relação à desaposentação.

Nesses casos, não sendo mais possível recorrer da decisão, os benefícios se mantiveram no valor estabelecido pelo recálculo, em respeito à segurança jurídica.

Vale mencionar que, em fevereiro de 2020, o STF afirmou que aqueles que conseguiram a desaposentação e que receberam os valores de boa-fé, por meio de decisão judicial, não precisavam devolver o dinheiro ao órgão previdenciário.

Os ministros do Supremo consideraram que tais verbas são de natureza alimentar, afinal, destinam-se para subsidiar a própria existência do segurado, bem como de seus dependentes.

Dessa forma, todos que tiveram reconhecido judicialmente o direito à desaposentação não necessitam devolver os valores.

E, adicionalmente, nos casos em que o novo cálculo foi estabelecido em processos transitados em julgado (casos nos quais não cabem mais recursos), o direito à desaposentação permanece mesmo após a decisão do STF.

Outra mudança em vista: Congresso pode tornar a desaposentação legal

Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei nº 76/2015, que dispõe justamente sobre a renúncia de aposentadoria por tempo de contribuição.

Logo após a decisão do STF, a Comissão de Assuntos Sociais do Senado aprovou o PL, garantindo ao aposentado que continuou ou voltou a trabalhar o direito de renunciar ao benefício previdenciário e aproveitar esse tempo de contribuição no cálculo de nova aposentadoria mais vantajosa.

O PL aguarda deliberação do Senado e, caso seja aprovado e, posteriormente, sancionado, tornará possível o retorno da desaposentação.

Como avaliar se a desaposentação fará sentido?

Um ponto de atenção, diante deste novo possível cenário, ou seja, se a desaposentação for aprovada novamente é a avaliação das novas regras – definidas após a Reforma da Previdência.

Para quem está pensando em se aposentar, além de observar os pré-requisitos, outra recomendação básica é fazer um planejamento previdenciário.

Leia também: O que é Planejamento Previdenciário e quem deve fazer?

No caso daqueles que já têm uma aposentadoria concedida, antes de abrir mão de qualquer benefício vale considerar as variáveis e fazer os cálculos para entender se a troca é realmente vantajosa financeiramente.


Se você é Beneficiário INSS e não quer perder mais nenhuma informação relevante, pode receber notícias selecionadas direto no seu WhatsApp. Clique aqui para se inscrever GRATUITAMENTE.

Receba novidades por notificação
Receba novidades por e-mail
Seu e-mail foi cadastrado na nossa lista! 😍
Erro ao enviar, tente novamente.