Tudo o que você precisa saber para contratar um novo Empréstimo Consignado

novo emprestimo consignado - pessoa tirando dinheiro no caixa eletrônico

Publicado em: 06/01/2021

Está pensando em contratar um novo empréstimo consignado? Então saiba o que mudou em 2021 e confira essas dicas para garantir a melhor oferta ou negociação!

Dicas para contratar um novo Empréstimo Consignado

O ano novo trouxe também novidades em relação às regras do empréstimo consignado que é hoje uma das modalidades mais solicitadas.

Aposentados e Pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Servidores Públicos (Federais, Estaduais e Municipais) assim como Trabalhadores de empresas privadas podem recorrer a essa modalidade e obter vantagens exclusivas.

Quem quer solicitar um novo empréstimo consignado deve, portanto, se atualizar e se atentar para cuidados básicos, afinal esse é um dos principais pontos para manter as finanças em dia.

Confira a sua margem consignável

Segurados da Previdência Social que têm benefícios consignáveis podem utilizar como comprovação de renda e garantia do pagamento.

A margem consignável é limitada a 35% do valor líquido do benefício que é recebido todo mês. Isso quer, que, o cálculo é feito depois do que sobra dos outros descontos.

Se um Aposentado receber um salário mínimo, por exemplo, de R$ 1.100 pode comprometer até R$385, sendo R$330 em empréstimos e R$55 com o cartão de crédito consignado.

Saber, portanto, o valor da margem consignável atual permitirá também saber o limite liberado.

Quando a margem consignável aumenta?

Quando a margem consignável reduz?

  • No momento da contratação de um novo empréstimo consignado;
  • Como consequência de erros e descontos indevidos na margem facultativa;
  • Devido a outros descontos compulsórios na folha de pagamento.

Por isso, mais uma vez, é indispensável sempre conferir o valor da margem consignável.

Leia também: SIGEPE Servidor e Pensionista: o que é e como acessar (2021)

Beneficiários INSS devem consultar o Extrato de Empréstimos Consignados pelo Meu INSS e os Servidores Federais o Extrato de Consignações ou valores pelo SIGEPE ou SIGEPE Mobile.

Faça simulações antes de contratar

As simulações permitem avaliar as condições da operação financeira como: valor liberado, valor da taxa de juros cobrada, valor das parcelas para pagamento.

Recentemente o Governo voltou a cobrar novamente o IOF (Imposto sobre Operações Finaneiras). Assim, todo crédito solicitado tem a cobrança deste trbuto que compõe o Custo Efetivo Total ou o CET da dívida, como também é chamado.

Nem sempre escolher somente a menor taxa de juros anunciada irá garantir a melhor oferta. No fim das contas, o CET é o indicador mais seguro para tomar essa decisão e quando essa conta não é colocada na ponta do lápis pode levar ao prejuízo.

Sendo assim, antes de fechar qualquer negócio ou contrato, faça simulações em diferentes cenários e instituições financeiras. Se preferir pode utilizar o comparador de empréstimos da bxblue gratuitamente.

Conte com o desconto do pagamento

Todo novo empréstimo consignado também tem as parcelas descontadas automaticamente da folha de pagamento. O valor será equivalente ao total da(s) parcela(s) de todos os contratos vigentes.

No caso do cartão consignado, o desconto é limitado há 5% da margem consignável. Se ultrapassar esse teto, o saldo excedente deve ser pago via fatura ou quitado no próximo vencimento.

Leia também: Como pagar a fatura do Cartão de Crédito Consignado?

O primeiro vencimento pode variar conforme a data acordada com a instituição financeira. Algumas, por exemplo, podem conceder carência para o primeiro desconto, mas vale lembrar que essa não é uma regra e que pode encarecer o empréstimo.

Ter o valor do desconto planejado irá ajudar com o orçamento pessoal ou familiar e com o pagamento de outras despesas. A margem consignável é definida por lei para evitar gastos excessivos.

Troque a dívida mais cara, por uma mais em conta

Mesmo depois de ter contratado um novo empréstimo consignado com boas condições, é possível substituir a dívida e economizar.

Na prática o que possibilita essa operação é a migração da dívida para outra instituição financeira com melhor taxa de juros ou CET. De forma muito simples é como vender a dívida atual para outra instituição.

A alta competitividade no mercado hoje faz com que o cliente tenham mais opções disponíveis. Para isso, é preciso ter entre 30 a 35% das parcelas atuais pagas. Embora pareça muito, o que ocorre geralmente é que os clientes quitam parte da dívida porque a diferença compensa.


Quer receber as últimas notícias, em primeira mão direto no seu Whatsapp? Se inscreva gratuitamente: