Retorno da cobrança do IOF: Governo antecipa fim da alíquota zero

Publicado em: 26/11/2020

O Presidente Jair Bolsonaro assinou ontem (25) uma nova Medida Provisória que autoriza a isenção do pagamento da conta de energia elétrica, dos últimos 30 dias, aos moradores do Amapá que sofreram recentemente com o “apagão”.

O custo estimado de R$ 80 milhões deve ser compensado pelo recolhimento do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e repassado à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE). Com isso, a cobrança do IOF que estava suspensa até 31 de dezembro, voltará a ocorrer normalmente – inclusive nas contratações de empréstimos. Saiba mais.

Cobrança do IOF volta antes do prazo inicial previsto

As novas operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários terão novamente o acréscimo do imposto federal, que é aplicado a pessoas físicas e jurídicas, e que pode ter diferentes alíquotas. O que muda o cálculo é o fato gerador.

No caso dos empréstimos, este valor é de cerca de 3% sobre o valor total liberado mais 0,38% ao ano. No consignado há uma alíquota fixa.

A isenção da cobrança do IOF foi aprovada durante a pandemia prioritariamente como forma de incentivar o acesso ao crédito, ou seja, com o objetivo de baratear o custo do dinheiro solicitado às instituições financeiras.

O IOF é cobrado em operações como:

  • Contratação de empréstimos, financiamentos ou seguros pessoais ou em nome de empresas;
  • Compra e venda de moedas estrangeiras (câmbio);
  • Resgate de investimentos pessoais ou em nome de empresas;
  • Rotativo do cartão de crédito;
  • Uso do cheque especial.

A data da isenção da chamada “alíquota zero” já havia sido prorrogada por duas vezes (julho e outubro) e na última alteração foi estendida até o final de dezembro. Agora, com a revogação dos decretos anteriores, todas as operações passam a ter a cobrança do IOF.

Decreto Nº 10.551

A mudança passa a valer a partir de hoje (26), conforme Decreto nº 10.551 de 25 de novembro de 2020, publicado no Diário Oficial da União (DOU):


Art. 1º O Decreto nº 6.306, de 14 de dezembro de 2007, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 7º …………………………………………………………………………………………………….

§ 20. Nas operações de crédito contratadas entre 3 de abril de 2020 e 26 de novembro de 2020, as alíquotas do IOF previstas nos incisos I, II, III, IV, V, VI e VII docapute no § 15 ficam reduzidas a zero.

§ 21. ………………………………………………………………………………………………………..

III – cuja base de cálculo seja apurada por somatório dos saldos devedores diários na forma do disposto nos § 18 e § 19, hipótese na qual se aplica a alíquota zero aos saldos devedores diários apurados entre 3 de abril de 2020 e 26 de novembro de 2020.” (NR)

“Art .8º …………………………………………………………………………………………………….

§ 6º Nas operações de crédito contratadas entre 3 de abril de 2020 e 26 de novembro de 2020, a alíquota adicional do IOF de que trata o § 5º fica reduzida a zero.” (NR)


Sendo assim, as operações realizadas neste intervalo garantem ainda a isenção:

Contratações até 26 de novembroContratações após 26 de novembro
Sem cobrança de IOFCom cobrança de IOF

IMPORTANTE: todas as novas simulações ou contratações realizadas pela bxblue respeitarão as novas regras.

Impactos da isenção da cobrança do IOF até o momento

Ainda não há um número fechado que revele os impactos reais da isenção da cobrança do IOF sobre as arrecadações públicas e aumento direto do volume de contratações de crédito.

A expectativa inicial era de que o Governo abriria mão de cerca de R$ 14,1 bilhões durante oito meses. Por mês esse vale chegaria a R$ 1,75.

O que muda na prática?

De forma geral e muito simplista, a cobrança do IOF tornará as dívidas maiores. E isso, independente do valor ou prazo de parcelamento – uma vez que incide sobre todas as contrações.

Assim, tanto um Aposentado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), quanto um Servidor Público Federal (SIAPE) que adquirem um empréstimo consignado, por exemplo, de 12 ou 96 meses, vão pagar o imposto.

Vale lembrar, no entanto, que esse tributo assim como outros valores relativos à taxas de juros, tarifas, encargos são englobados no Custo Efetivo Total (CET).

Essa alíquota (dada por um percentual ao mês) é somado ao valor do crédito solicitado e dá então o valor total da dívida. As parcelas mensais são a divisão deste valor final pelo número de parcelas contratadas.

IMPORTANTE: a cobrança do IOF não exige o pagamento antecipado ou transferência de qualquer valor antes da obtenção do crédito. Seu valor estará embutido na proposta final. Ao receber qualquer pedido neste sentido, desconfie!

Destinação dos recursos

Nesta ocasião, os recursos arrecadados serão destinados extraordinariamente para cobrir a gratuidade aos moradores do Amapá. Ao todo, cerca de 765 mil moradores da região foram afetados.

O restabelecimento do fornecimento de energia elétrica no Estado está em andamento, mas a maioria da população já foi atendida.

Tirando este fato que é isolado, a arrecadação extra deve ajudar os cofres públicos da União que está cada vez mais deficitário.

Comparação de crédito será ainda mais importante

Um fato importante e que nem todos os consumidores levam em consideração na hora de contratar um empréstimo é que não só as alíquotas de IOF mudam, conforme a linha escolhida.

Cada modalidade de crédito pessoal conta também com um risco associado que influencia diretamente na taxas de juros cobrada. É isso que torna um tipo de crédito mais barato que o outro.

Ao fazer a comparação entre modalidades e instituições financeiras é preciso avaliar sempre o CET, para chegar a proposta financeira mais vantajosa.

Um dos grandes erros, neste momento, é avaliar somente a taxa de juros. Nem sempre uma taxa de juros menor, corresponderá a um CET mais barato. Por outro lado, se os demais fatores forem reduzidos, a dívida ficará menor, mesmo que haja a cobrança do IOF.


Aqui na bxblue você pode comparar ofertas de empréstimo de vários bancos de uma só vez.


Os contratantes do empréstimo consignado precisam ficar bem atentos a essa comparação por causa da margem consignável. Esse limite é o que permite novas operações e toma como base o somatório de todas as parcelas de contratos vigentes.

Atualmente, os beneficiários INSS podem comprometer até 40% da aposentadoria ou pensão mensal (valor já livre de outros descontos), enquanto os Servidores Públicos têm o limite de 35%.


Quer receber as últimas notícias, em primeira mão direto no seu Whatsapp? Se inscreva gratuitamente:

Receba novidades por notificação
Receba novidades por e-mail
Seu e-mail foi cadastrado na nossa lista! 😍
Erro ao enviar, tente novamente.